• ABERTURA DO EVENTO CONNECTED SMART CITIES 2016

    Acreditamos que uma smart city é aquela que cresce de forma planejada por meio do desenvolvimento de projetos urbanos integrados sustentáveis, que utilizam novas tecnologias e inovação, procurando encontrar soluções inteligentes para os problemas que afetam a cidade e a qualidade de vida de seus cidadãos, proporcionando uma cidade com mais qualidade de vida, mais moderna e, consequentemente, mais inteligente.

    Como envolver empresas, entidades e governos para encontrar o DNA de inovação e melhorias para cidades mais inteligentes e conectadas umas com as outras, sejam elas pequenas ou megacidades?

  • 9:00 - 9:15
    Apresentação dos indicadores da 3ª Edição do Ranking Connected Smart Cities
  • 9:15 - 11:30
    Apresentação das prefeituras reconhecidas no ranking nas seguintes categorias:- Ranking geral
    - Ranking por faixa populacional: de 100 a 500 mil / até 100 mil habitantes
    - Ranking por região: Norte / Nordeste / Sul / Sudeste / Centro-oeste
    - Ranking por eixo temático: Mobilidade e acessibilidade / Urbanismo / Meio ambiente / Energia / Tecnologia e Inovação / Saúde / Segurança / Educação / Empreendedorismo / Governança / Economia
  • 11:30 - 12:00
    Encontro Prefeitos com a imprensa
  • PALCO MORUMBI – EIXO TEMÁTICO: CIDADES PARTICIPATIVAS E ENGAJADAS

    A organização World Foundation for Smart Communities tem como definição que “A Comunidade Inteligente é aquela que fez um esforço consciente para usar a tecnologia da informação para transformar a vida e o trabalho dentro de seu território de forma significativa e fundamental, em vez de seguir uma forma incremental". Já o prêmio Nobel Paul Krugman prevê que o crescimento das cidades será o modelo econômico de desenvolvimento no futuro, as cidades são a pauta do Século 21. Como enfrentarmos os desafios de proporcionar um desenvolvimento sustentável, a inclusão socioterritorial e a gestão inteligente?

  • 14:00 - 15:30
    Painel 1: Promoção da inovação governamental: governança proativa para a criação de cidades participativasConsiderações painel 1
    - Questões regulatórias para os municípios maximizarem os benefícios da análise dos dados e qualidade dos serviços prestados
    - Participação social e o controle de eficiência do gasto público
    - Desbravadores Digitais: educação e inclusão digital para cidades participativas

    Filipe Rocha, Diretor, ModoUp Gestão e Projetos
    Ana Carla Bliacheriene, Professora, Universidade de São Paulo - Escola de Artes, Ciências e Humanidades
    Representante BNDES
  • 16:00 - 16:30
    SPOTLIGHT TALKS: Plataformas colaborativas nas cidadesComo conectar os serviços públicos com as inovações disponíveis como dados abertos, crowdsourcing e outras inovações envolvendo as pessoas na utilização destas tecnologias de forma a oferecer aos cidadãos serviços públicos inteligentes? Como as cidades podem trabalhar e apoiar estas inovações?

    Cidade Vencedora Ranking Connected Smart Cities 2017 Eixo Temático Governança
    Paulo Pandolfi, Co-Fundador, Colab.re*
  • 16:30 - 18:00
    Painel 2: Como promover a participação e o engajamento nas cidadesConsiderações painel 2
    - Como a democratização das informações territoriais com os novos sistemas de tecnologia de informação e comunicação favorecem a formação de comunidades participativas?
    - Case Hackathon como instrumento estratégico para aproximação do governo com o cidadão
    - O Design Colaborativo para ideação e prototipação de intervenções urbanas lúdicas

    Danielle Morais de Andrade, Gerente de Projetos, Instituto CESAR
    Luiz Antônio da Costa Silva, Presidente, CIASC- Centro de Informática e Automação de Estado de Santa Catarina*
    Luis Castillo, Ministerio de Modernización, Gobierno de la República de Argentina*

    Moderador: Carla Mayumi, Pesquisadora-ativista e sócia, Box1824 e TalkInc*
  • PALCO PENHA – EIXO TEMÁTICO: CIDADES PRÓSPERAS

    O maior desafio das prefeituras é angariar recursos para implementação de projetos fundamentais para o desenvolvimento de suas cidades. O planejamento, definição de políticas claras e um plano detalhado desenhado por uma equipe multidisciplinar são partes fundamentais para o desenvolvimento de um projeto para captação de recursos para as cidades. Como desenvolver cada etapa de um projeto de sucesso?

  • 14:00 - 15:30
    Painel 1: Quais são os recursos e ferramentas disponíveis para angariar recursos para as cidades?Considerações painel 1
    - Mecanismos bem-sucedidos de PPP´s, Parcerias e instrumentos financeiros disponíveis para expansão dos recursos nas cidades
    - A mudança de uma cidade através da atração de talentos e startups
    - Como atrair investimentos e investidores para as cidades? Case Cluster Smart Cities Portugal

    Catarina Selada, CEIIA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento*
    Wilson Poit, Secretário de Desestatização e Parcerias, Prefeitura de São Paulo*
  • 16:00 - 16:30
    SPOTLIGHT TALKS: Connected Smart CitiesPorque necessitamos de cidades conectadas? As cidades são os centros de fluxo de bens, serviços, pessoas, dinheiro, dados e ideias. Ao criarmos cidades verdadeiramente conectadas, reduzimos as distâncias entre elas e o mundo acessando cadeias globais de comércio e promovendo o intercâmbio de ideias e negócios. Como promover esta conexão?

    Cidade Vencedora Ranking Connected Smart Cities 2017 Eixo Temático Economia
    Thomaz Assumpção, Presidente, Urban Systems
  • 16:30 - 18:00
    Painel 2: Crescimento econômico: conceitos de inovação, economia do compartilhamento e cocriaçãoConsiderações painel 2
    - Quais são os modelos de negócios de sucesso que transformaram as cidades através da inovação? Como transformar cidades em cidades colaborativas para melhorar a qualidade de vida das pessoas e ajudar no desenvolvimento urbano?
    - Cidadão Educado constrói Cidades Inteligentes
    - Mudanças observadas nas cidades que estimularam a economia criativa, o caso de Santos: Cidade Criativa da UNESCO

    Franz Wagner Dal Belo, Diretor de inovação e tecnologia, Prefeitura de Maringá
    Paulo Alexandre Barbosa , Prefeito, Santos*
  • PALCO LAPA – EIXO TEMÁTICO: CIDADES HUMANAS, RESILIENTES E INCLUSIVAS

    Segundo a organização 100 resilient cities as cidades resilientes são divididas em quatro dimensões: saúde & Bem-Estar, economia & sociedade, infraestrutura & meio ambiente e liderança estratégia. Além disso, possuem sete qualidades: Reflexão, recursos, robustez, redundância, flexibilidade, inclusão e integração. Como desenvolver cidades humanas, resilientes e inclusivas?

  • 14:00 - 15:30
    Painel 1: A criação de espaços públicos nas cidades inclusivas e humanasConsiderações painel 1
    - Como criar políticas inclusivas no desenvolvimento urbano proporcionando bem-estar e segurança nas cidades? Como envolver as pessoas na criação de uma nova dinâmica social no espaço público criando uma nova cultura com inclusão social?
    - A importância na defesa do território da criança na cidade para o futuro da cultura cidadã
    - Como estimular a integração, inclusão e o desenvolvimento urbano a partir da educação e cultura?
    Cidade Vencedora Ranking Connected Smart Cities 2017 Eixo Temático Educação
    Roni Hirsch, Sócio e Diretor Criativo, Erê Lab
    Representante Avina

    Moderador: Stella Hiroki, Projeto Empoderamento de Minorias para o desenvolvimento de Smart Cities, PUC*
  • 16:00 - 16:30
    SPOTLIGHT TALKS: Desafios atuais e o desenvolvimento de cidades resilientesAs cidades estão em constante mudança e muitas delas estão em pleno desenvolvimento. Estas mudanças também tornam as cidades mais suscetíveis a catástrofes naturais e outros desafios sociais, ambientais e econômicos tornando fundamental que os governos reflitam sobre a necessidade de políticas públicas que tornem as cidades mais resilientes. Como desenvolver estas políticas?

    Cidade Vencedora Ranking Connected Smart Cities 2017 Eixo Temático Saúde
    Germano Guimarães, Cofundador e Diretor, Instituto Tellus*
  • 16:30 - 18:00
    Painel 2: A cidade para todos os cidadãosConsiderações painel 2
    - Como diminuir a segregação e exclusão social nas cidades?
    - Como o planejamento urbano pode diminuir as distâncias entre os membros da sociedade
    - O desafio de diminuir as disparidades e aproximar as pessoas nas cidades

    Antonio Leitão Instituto Longevidade – Índice de Desenvolvimento Urbano para Longevidade
    Gilca Palma, Diretora de Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento na Climatempo*